bol39abre2

Nas redes sociais surgiu uma nova geração conhecida como “Millennials”, esta é composta por cerca de 160 milhões de usuários digitais, que equivalem a 30% da população na América Latina. É importante que as empresas incorporadoras grandes e pequenas, através do uso da tecnologia, abordem este mercado que está crescendo.

A chegada dos Millennials – pessoas nascidas após 1980 e antes de 2000 – para o mundo do trabalho e do consumo colocou este grupo sob o destaque de empresas e consultores e não passam muitos dias sem um estudo publicado sobre seus traços, hábitos ou prioridades. Eles são importantes porque há muitos – 26% da população mundial – já representam mais da metade da população ativa e em oito anos serão 75%, o que lhes confere uma grande capacidade de influência, o que é aumentado por ser a primeira geração de nativos digitais. Sua conexão permanente e sua alta sociabilidade lhes conferem poder para influenciar as compras e transformá-las em tendências para que elas estejam interessadas em detalhar seu comportamento e até mesmo sua personalidade. Na verdade, em um grupo tão grande, é difícil estabelecer padrões que irão servir a todos, embora alguns analistas e consultores que pesquisaram sobre assegurem que eles sejam mais parecidos entre si que os membros das outras gerações devido à globalização e homogeneidade da informação e dos valores que lhes foram transmitidos através das tecnologias.

O professor de gestão pessoal de Ia Guido Stein é um dos especialistas que descreveu algumas das particularidades dos Millennials  e afirma que esta maior homogeneidade é mais clara entre aqueles que ele chama de “milênio secundário”, aqueles que nasceram entre 1990 e 2000, que agora estão treinando ou entrando no mercado de trabalho. E destaca-se como uma das suas características mais representativas a necessidade de aprovação dos outros. “Eles são pouco menos do que adictos ao reconhecimento público, que não só esperam obter dos seus superiores, mas também, e acima de tudo, seus semelhantes”, diz o professor, que salienta que esse interesse em ser o centro das atenções, observa tanto em sua vida diária como em sua atividade de trabalho.

Eles importam porque são muitos e em oito anos serão 75% da população ativa

Para Stein, esse desejo de reconhecimento tem a ver com a educação que receberam, especialmente no ambiente familiar, onde certa imaturidade foi promovida e não conquistada com seus próprios esforços. Esta imaturidade também contribui para o fato de que uma geração nunca esteve tão conectada entre si como esta, porque quando se relaciona entre iguais e através de redes sociais não estão tão expostas a pessoas de outras idades e outras atividades, e isso afeta que não amadurecem tanto. Assim, de acordo com Stein, uma parte importante desses jovens tem uma excelente formação acadêmica, em línguas e tecnologia, mas apresenta falta de caráter e deficiências nas suas habilidades interpessoais.

Pablo Mondragón, antropólogo social e fundador da Antropologia 2.0, acredita que este interesse na aprovação de outros não é uma característica psicológica da juventude de hoje, mas sim tem que ver com novos canais de comunicação, com avanços técnicos. “Todos nós precisamos de reconhecimento e todos nós gostamos de ser reconhecidos, acho que isso é algo inato para o ser humano; O que mudou é que esses remendos foram produzidos e procurados anteriormente no ambiente doméstico, em um ambiente reduzido, e agora que estamos interligados, podemos ter um reconhecimento mais amplo e os avanços técnicos nos dão as ferramentas para ter feedback, então esperamos reações a tudo o que fazemos “, diz Mondragón.

Além disso, Idoia de Paz, chefe do departamento de consultoria da Human Capital da Deloitte – um relatório anual sobre os Millennials – acredita que o desejo de reconhecimento é agora mais visível porque os jovens o exigem em tempo real, porque estão acostumados a feedback constante e comunicação imediata, e para eles não faz sentido esperar a avaliação anual para conhecer as reações ao seu trabalho. “Eu acho que ser um Millennials é uma atitude, não uma geração, porque não sou uma idade, e também quero esse reconhecimento e uma organização mais rápida e flexível, porque a tecnologia encoraja”, diz ele.

Mondragón pensa que, ao invés de mudanças a nível psicológico, a nova geração de jovens vê mudanças cognitivas, porque vivemos em um mundo onde o imediatismo foi imposto, onde tudo adquire maiores velocidades e onde a identidade digital conta.

Eles estão preocupados com a imagem que eles transmitem e causam insegurança

O imediatismo também é considerado uma característica desta geração. “Eles são impacientes porque foram educados em instantaneidade e estão acostumados a insumos contínuos e imediatos, mas esse hábito de imediatismo sustentado ao longo do tempo tornou-se confortável fazendo várias tarefas ao mesmo tempo (…) tudo em alta velocidade, para ser rápido para aprender “, resume Stein. Ele acrescenta que a contrapartida é que, em muitos casos, eles sofrem com a falta de capacidade de análise aprofundada. De Paz, da Deloitte, acredita que os milênios são muito conscientes do que eles conhecem e não sabem e se algo os caracteriza é que eles sempre querem aprender mais e querem conversar com pessoas que sabem mais, com gerentes, com especialistas em os temas. O imediatismo da comunicação torna impaciente e também multitarefa.

A primeira pesquisa foi apresentada por Michelle Grant, chefe de varejo da Euromonitor, com o tema: “Como o consumo dos EUA será em 2025?” O executivo trouxe um painel bastante rico com várias descobertas importantes. De acordo com o estudo, cinco tendências irão dominar em termos de influência no comportamento dos consumidores nos próximos 10 anos:

A urbanização é a primeira delas. Mais e mais pessoas vivem em grandes cidades (na verdade, entre as maiores economias do mundo, nenhuma urbanização esta sendo mais rápida que no Brasil); A renda vem a seguir: a distribuição e o potencial do consumo serão diferentes da atual; As Tarefas da casa também serão diferentes, considerando os novos formatos familiares; O envelhecimento da população e a diversidade se enquadram no escopo.

A geração dos Millennials também é conhecida pelo seu caráter “boomerang”, uma vez que eles são os que tiveram que voltar para casa dos seus pais e estão atrasando a formação de uma família devido à situação econômica atual: a dificuldade em encontrar um emprego e acesso a habitação.

O grande desafio será desenvolvermos produtos imobiliários para estes  novos consumidores, já que a expectativa é de que as gerações de nativos digitais (Millennials) sejam a maioria da população ativa em 2025. Vamos nos preparar para esta oportunidade?

Gostou desse conteúdo?

8

0