many hands pointing the bullying a business man that is suffering mobbing on concept of accusation guilty shy

Vimos no artigo de dezembro, como planejar e estruturar um sistema de gestão eficiente, entretanto temos agora um grande desafio pela frente, que é a implantação de um sistema de gestão.

Vocês já se questionaram de quem é realmente a responsabilidade pelo sucesso do sistema de gestão?

“Havia um importante Trabalho a ser feito, TODO MUNDO tinha certeza de que ALGUÉM o faria, QUALQUER UM poderia tê-lo feito, mas NINGUÉM o fez.

ALGUÉM se zangou porque era um Trabalho de TODO MUNDO, TODO MUNDO pensou que QUALQUER UM poderia fazê-lo, mas, NINGUÉM imaginou que TODO MUNDO deixasse de fazê-lo.

Ao final TODO MUNDO culpou ALGUÉM quando, NINGUÉM fez o que QUALQUER UM poderia ter feito”. (autor desconhecido)

Você conhece ou já viu uma situação assim?

A implantação de um sistema requer quebrar muitos paradigmas, e o grande sucesso está em quem opera tudo isso, que são as “pessoas”.

Portanto, desenvolver nas pessoas a consciência da importância das suas atividades individuais e no todo, bem como, o respeito com os seus clientes internos no cumprimento das entregas, sem dúvida trará a sua organização, resultados surpreendentes, e uma grande vantagem competitiva, em especial no setor de construção civil, principalmente em momentos de crise, onde as pessoas terão que ser muito mais produtivas.

A maior dificuldade está no engajamento das pessoas, e para que o engajamento aconteça, é preciso comunicar de forma muito transparente as responsabilidades dos colaboradores dentro das rotinas de cada processo e treiná-las para tomar decisões.

Na obra, as responsabilidades da equipe (administrativo, mestre, engenheiro, coordenador, estagiário, almoxarife, encarregado, etc) devem estar claramente definidas, para que cada um entregue a sua parte de forma consciente, ou seja, compreendendo o impacto de deixar de entregar ou simplesmente entregar incompleto, por exemplo.

Outro fator fundamental, é estimular a geração de ideias, e ouvir sempre as opiniões de quem realiza as atividades, isso pode ajudar a identificar processos e/ou rotina ineficazes. Por exemplo a realização de reuniões relâmpago todas as manhãs no canteiro de obras, onde a equipe pode reportar dificuldades tais como por exemplo: atrasos, não conformidades, recursos, logística, entre outros, e desta forma, todos terão a oportunidade de falar, e deste encontro poderão surgir muitas ideias e também riscos potenciais que poderão ser mitigados.

Artigo anteriorLigação de Motor em mais de um local
Próximo artigoOrçamento de Obras: Parâmetros de qualidade para quantificação em obras prediais
Engenheira Civil pela FEI com pós-graduações nas áreas de gestão ambiental (FEI), responsabilidade social (USP) e gestão para excelência do desempenho (FGV), excelência em gestão de pessoas (Disney Institute), empreendedorismo (Endeavor), andragogia (Secovi), mapeamento de processos (FPNQ). Auditora líder de certificadoras internacionais (LRQA e DNV GL), nas normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001 e PBQP-H totalizando desde então, mais de 800 auditorias realizadas em sistemas de gestão, para organizações de diversos segmentos e portes, permitindo desta forma uma visão ampla de processos e melhores práticas. Consultora em processos e pessoas e Instrutora da L. Antunes Consultoria em diversos treinamentos comportamentais e de gestão empresarial, Instrutora do Sinduscon-SP, Coach Executiva e Life Coach formada pelo ICI – Integrated Coaching Institute com credenciamento ACC pela ICF – International Coach Federation, Autora de artigos sobre gestão e Voluntária na Junior Achievement no programa mini empresas que tem como objetivo, despertar o espírito empreendedor nos jovens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here