Você já se perguntou como pode ser a sua estratégia interna para implantar os processos na sua Organização?

Qualquer que seja o momento que sua organização esteja em termos de maturidade dos processos, sejam ele em fase inicial de estruturação do seu sistema de gestão ou em fase de aprimoramento dos processos já implantados, eu recomendo que seja feita uma análise das práticas atuais x práticas pretendidas em termos de propósito, desempenho e boas práticas de mercado.

Durante meus trabalhos de consultoria, quando questiono algum profissional sobre o porquê determinadas práticas são realizadas daquela maneira, eu usualmente tenho como resposta frases como:

– “A norma não exige que seja desta forma?”

– “Sabe que nunca me questionei?”

– “Realmente não sei, pois desde que entrei aqui na Organização, aprendi desta forma, e realmente nunca me questionei se a forma de fazer está efetivamente agregando valor e resultados”.

Portanto, como falamos anteriormente, na estruturação dos processos, recomenda-se levar em consideração:

  • Propósito: Conhecer a missão do processo, ou seja, a razão da sua existência e os resultados pretendidos em termos de desempenho;
  • Integração: inter-relacionamento com outras práticas, a cooperação entre as áreas;
  • Benchmarking: busca de boas práticas no setor ou no mercado.
  • Melhoria continuada: demonstração do compromisso com os requisitos das partes interessadas e resultados estratégicos e operacionais.
  • Foco no cliente interno: o cliente externo não poderá ficar satisfeito, se internamente os processos não se tratarem como clientes e fornecedores.
  • Liderança: definição clara de responsabilidades e autoridades.

Na etapa de planejamento e priorização dos processos a serem estruturados ou reinventados na organização, recomendo que sejam levadas em consideração os processos que tenham maior:

  • Impacto no cliente;
  • Contribuição para a estratégia;
  • Impacto Financeiro;
  • Impacto na Qualidade do Produto;
  • Impacto na necessidade das partes interessadas.
Artigo anteriorA ventilação da Casa de Máquinas e da Caixa do Elevador são fundamentais
Próximo artigoGuia prático sobre BIM – Parte III: Como entender o BIM sem ser um “Expert” no assunto
Engenheira Civil pela FEI com pós-graduações nas áreas de gestão ambiental (FEI), responsabilidade social (USP) e gestão para excelência do desempenho (FGV), excelência em gestão de pessoas (Disney Institute), empreendedorismo (Endeavor), andragogia (Secovi), mapeamento de processos (FPNQ). Auditora líder de certificadoras internacionais (LRQA e DNV GL), nas normas ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001 e PBQP-H totalizando desde então, mais de 800 auditorias realizadas em sistemas de gestão, para organizações de diversos segmentos e portes, permitindo desta forma uma visão ampla de processos e melhores práticas. Consultora em processos e pessoas e Instrutora da L. Antunes Consultoria em diversos treinamentos comportamentais e de gestão empresarial, Instrutora do Sinduscon-SP, Coach Executiva e Life Coach formada pelo ICI – Integrated Coaching Institute com credenciamento ACC pela ICF – International Coach Federation, Autora de artigos sobre gestão e Voluntária na Junior Achievement no programa mini empresas que tem como objetivo, despertar o espírito empreendedor nos jovens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here