Uma vez que entendemos quais são os atributos para um sistema inteligente, abordados na Parte 1 e também Parte 2 desta série, e em seguida os requisitos para uma solução cognitiva – abordados na Parte 3, vamos agora compreender o processo de como são examinados os dados para a formação do preço em sistemas inteligentes.

A elaboração dos modelos padrão para as metodologias e sistemáticas construtivas

Os sistemas baseados em Big Data e Inteligência Artificial consideram a pesquisa, o mapeamento e a apropriação de ordens de serviços de produção, sob três aspectos: a padronização dos processos, os fluxos do processo e os métodos da execução do trabalho.

Além disso, os fluxos do processo são constituídos de etapas que são detalhadas conforme o sequenciamento produtivo e regidos por regras de organização.

A aplicação desses sistemas inovadores sobre a estrutura desses padrões atua na cadeia lógica do processo individualmente, compreendendo a função de cada elemento integrante e aferindo sua performance de execução.

Esses sistemas funcionam reconhecendo os nós e a rede por integração digital, referenciados originalmente por molde (modelo) padrão, onde a partir dele, é possível monitorar e aprimorar os desempenhos, gerando melhoria dos componentes da infraestrutura produtiva e propiciando a otimização dos ativos existentes.

O sistema possibilita que o modelo tenha um poder preditivo, ou seja, ter suas simulações testáveis e adaptáveis, podendo repor uma modelagem balizada por aprimoramentos para maximização de resultados, mediante alterações que ocorram no ambiente físico.

 

Considerações sobre a formatação para reconhecimento do modelo padrão

O sistema pesquisará e mapeará dados referenciados por padronização de processos onde haja:

  • Identificação do serviço ou atividade, discriminando a especificação e as premissas técnicas que a definiram;
  • Identificação da aplicabilidade, correspondente a uma exequibilidade compatível e apropriada;
  • Identificação de informações de rastreamento, respectiva aos recursos técnicos e logísticos utilizados;
  • Identificação de todos os elementos integrantes ou vinculados, mediante ordem de precedência;
  • Identificação da conformidade dos processos do fluxo de trabalho, referenciadas por instrumentos normativo técnico referencial;
  • Identificação das condições que promovam a racionalidade, por meio de práticas de melhorias da lógica de eficiência da produção, objetivando ganhos no desempenho e economicidade;
  • Identificação de provenientes impactos de contingências, para tratamento sistêmico das restrições e oportunidades decorrentes.

 

Considerações sobre métodos de execução do trabalho

O sistema disponibilizará os dados atendendo apropriação de ordens de serviços de produção que consideram:

1. A Seleção de metodologias adequadas às tipologias afins

A título de exemplo, podemos demonstrar algumas hierarquias no caso de tipologias que visam a segmentação da construção de pontes e viadutos. Abaixo são listadas algumas tecnologias de sistemas construtivos, todas com suas respectivas metodologias especiais:

  • Fabricação de pré-moldadas e a mobilização das peças no canteiro
  • Execução das vigas pré-moldadas com lançamento por guindastes
  • Execução das vigas pré-moldadas protendidas empurradas sobre o vão
  • Execução das vigas pré-moldadas empurradas em estrutura metálica
  • Execução das vigas pré-moldadas lançadas por treliça autoportante
  • Execução por balanços sucessivos
  • Execução em plataforma cantitrável
  • Execução em aduelas pré-moldadas
  • Execução por estaiamento
  • Execução por ripagem

No estudo detalhado dessas tecnologias constata-se que são compostas por níveis de subsistemas, serviços principais, atividades auxiliares ou tarefas típicas que permitem a execução de cada etapa do processo produtivo, onde, a partir da cognição é processado os seguintes estágios:

2. A identificação do fluxo de trabalho de cada etapa do processo produtivo

Etapas que podem ser consideradas na identificação das atividades e serviços:

  • Recebimento
  • Estoque
  • Processamentos (fabricação, montagem, desmoldagem, corte, dobragem, mistura, preparo, lançamento, aplicação, adensamento, cura, tratamento, teste, reforço, suporte, recuperação, soldagem, etc.)
  • Transporte (carga, ida, espera, descarga, volta)
  • Controles (tecnológico, qualidade, outros)
  • Outras (intermediárias)

Cada uma dessas etapas deve estar estruturada com os seguintes conteúdos:

  • Especificações (identificação descritiva e discriminação das premissas técnicas e contingências presumíveis na execução)
  • Procedimentos (atividades interconectadas na produção e os ciclos de trabalho)
  • Sistemática construtiva (ordenação e organização dos processos)

 

3. Exame da relação das interatividades dos seus elementos componentes

Os elementos componentes dos recursos técnicos da produção devem ser discriminados detalhadamente, contendo classificações (tipos, modelos, categorias, etc.) e características de naturezas quantitativas e qualitativas de cada insumo e respectivo dimensionamento:

  • Materiais e Produtos
  • Máquinas e Equipamentos
  • Mão de Obra de Produção e Apoio próprios e/ou terceirizados

 

4. Obtenção das métricas e indicadores de performance

Os indicadores da performance da produção, produtividade e consumo, obedecem a hierarquia em nível das atividades e serviços e é dado pelos desempenhos e eficiências de cada elemento componente.

  • Levantamento da quantidade medida na aferição
  • Localização do elemento executado
  • Duração (indicação do período de execução)
  • Dimensionamento de recursos (quantidades de recursos por categoria profissional)

 

5. Tratamento estatístico utilizando-se de algoritmos

São obtidos modelos padrão por meio da repetição da sequencia de atividades que compõem o serviço.

As operações de reprodução dos modelos possibilitarão a solução de problemas semelhantes, mediante a análise da essência das condições impostas.

 

6. Considerações sobre o processo de decisão a partir dos dados disponíveis e armazenados na nuvem

O sistema funciona baseado em modelos de aprendizado de máquina, processamento de linguagem natural, usando levantamento de dados próprios, que são centralizados e armazenados em repositórios específicos, para uma filtragem colaborativa.

Ferramentas de organização Wiki poderão agregar conhecimento específico, fornecendo instrução e ilustração técnica aos usuários para melhor aproveitamento das informações.

Aplicativos segmentados por tipologia permitirão apropriar, disponibilizar e alimentar modelos personalizados e torná-los acessíveis, possibilitando fazer os prognósticos ágeis e qualificados.

Os resultados podem ser intercambiados com os sistemas informatizados de planejamento de obras e também, com sistemas que o integram ao BIM.

O uso permitirá que os modelos continuem se aperfeiçoando e atualizando-se continuamente a partir dos dados inseridos.

Startups poderão dar suporte técnico, amparados em amplo espectro de informações especializadas, por meio da monetização do negócio.

 

Conclusão

A utilização dos sistemas informatizados possibilita extrair de processos automatizados os dados estruturados e filtra-los conforme sua relevância, examinar, organizar e compartilhar com critérios dinâmicos e mais eficientes, obter suporte para analises complexas e estratégicas e completar uma avaliação mais confiável na tomada de decisões.

No próximo capítulo – Parte 5, trataremos da Infraestrutura da Coleta de dados de desempenhos e eficiências dos Recursos utilizáveis.

Até lá!

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here